Loading...
Equipa

Fundadores

O enólogo português António Maçanita e o consultor e viticultor inglês, David Booth conheceram-se no início de 2004. Ao longo dos meses seguintes, António já estava a aprender viticultura com David e uma grande amizade desenvolveu-se. O próximo passo seria fazer vinho. Primeiro vinho, primeiro sucesso, com o Trophy Alentejo no International Wine Challenge, atribuído pela segunda vez em 22 anos de competição.

ANTÓNIO MAÇANITA

Inconformado, disruptivo, inconveniente, ousado, inquieto, arrebatador. Estes são alguns dos adjetivos pouco consensuais que podem definir tanto António Maçanita, enólogo e consultor, como os vinhos em que mete as mãos. António Maçanita, agora com 40 anos, começou no mundo dos vinhos em 2000, nos Açores, mas é só em 2004, com 23 anos, que faz o primeiro vinho. Nestes 15 anos de carreira, recuperou castas abandonadas, como é o caso da Negra Mole, no Algarve, e da Terrantez do Pico, nos Açores. Onde outros não vêem futuro, António vê desafio. Veja-se o exemplo do vinho Branco de Tintas, o primeiro engarrafado em Portugal, um vinho alentejano de protesto, desenvolvido em 2008 quando a CVRA decidiu permitir a compra de uvas brancas fora de região. Outra estreia de menção, o Branco de Talha, em 2010, também o primeiro em Portugal deste género, na recuperação de uma tradição de vinificação criada pelos romanos e que viu um renascimento exponencial nesta década. Contudo, é talvez nos Açores que a revolução é mais visível - as uvas açorianas são hoje as mais caras de Portugal -, onde travam hoje a batalha para que se legalize a utilização de vinhas de cheiro, “vinhas lindas, algumas com mais de 150 anos”, como as descreve Maçanita, num visível orgulho e entusiasmo.

Foi 2018 que António Maçanita ganhou tanto o título de Enólogo do Ano pela Revista dos Vinhos como o Prémio Singularidade 2018 da Revista Grandes Escolhas. Mas já desde o primeiro vinho que o enólogo arrecadava prémios: o vinho PRETA 2004 ganhou o Trophy Alentejo, no Internacional Wine Challenge. Também em 2016, António Maçanita recebeu o Troféu Enólogo Geração XXI 10 anos 2006-2016 da Revista Paixão do Vinho. No mesmo ano a Revista Wine considerou a Azores Wine Company Produtor Revelação. Em 2016 a Azores Wine Company e os seus três sócios ganham os prémios Projeto do Ano e empreendedores do Ano pela revista 100 Maiores Empresas dos Açores, do jornal Açoriano Oriental – o diário mais antigo de Portugal. Dois anos depois, a Revista de Vinhos escolheu entre os Melhores Vinhos de Portugal 2018 a Vinha Centenária, da Azores Wine Company. Todos os vinhos assinados por António Maçanita, sejam do Alentejo, Douro ou Açores, conquistam, frequentemente, mais de 90 pontos na Wine Advocate de Robert Parker, a mais relevante classificação vínica do mundo. António Maçanita produz vinhos em cinco regiões diferentes, criou três projetos de produção própria, através da sua empresa de consultoria apoia 12 produtores, e lança no mercado, anualmente, mais de 50 rótulos de assinatura.

DAVID BOOTH

DAVID JEREMY BOOTH (1965-2012)

... ele era soldado, ele era cavalaria, ele era infantaria, ele era proteção dos animais selvagens, ele era desminagem. Ele estava apaixonado, ele era pai, ele era amizade, ele era a natureza, ele era manhã cedo, ele era coisas simples, ele era pura vida. Ele era um homem da vinha, e o nosso jardineiro. Mas acima de tudo ele era nosso amigo. A tua Equipa.

Nascido na Inglaterra, oficial do Exército durante sete anos, chegando ao posto de Capitão dos Green Jackets. De seguida estudou Agricultura e Gestão no Royal Agricultural College Cirencester, fez desminagem em Moçambique, proteção da vida selvagem em Quénia. Estudou viticultura na UC Davis, e tornou-se um discípulo de Richard Smart em Portugal, onde introduziu novos sistemas de condução, e trouxe um profundo conhecimento na viticultura que lhe permitiu transmitir conceitos complexos de uma forma muito simples.
Foi consultor de vinhas para vários produtores de vinho, tais como: Lyma Mayer, Terras de Alter, Azamor, Vida Nova (Cliff Richards), Arrepiado Velho … para citar apenas alguns.

Como orador convidado lecionou para o curso de MBA na sua antiga escola do Royal Agricultural College Cirencester.
Em 2004, fundou, juntamente com António Maçanita, o projeto Fitapreta, ao qual deu prioridade na vida profissional de si já tão cheia.
Para nós, amigos e companheiros de batalha sentimos a falta do seu sorriso constante e contagiante, do seu eterno otimismo, da sua vontade de ajudar, da sua capacidade de ouvir e do seu prazer pelas coisas simples da vida: ar fresco, natureza, tempo com seus filhos, tempo com pessoas, com a vida pura. Com a certeza de que estaremos sempre a honrá-lo e recordá-lo ainda mais. Trabalhando cada vez mais, mas com o mesmo espírito livre e fresco que ele sempre transmitiu.

SÓCIA – SANDRA SÁRRIA

Sócia desde 2015. A Sandra estudou no Intituto Superior de Agronomia, tirou o curso de Enologia e ganhou o prémio de “futura mehor enóloga do ano”. Estagiou na adega José Maria da Fonseca,uma das maiores empresas de vinho em Portugal. Viajou para o Chile para aprender mais na prestigiada “Vinas Casa Del Bosque”. Começou a sua história com o grupo em 2007, na consultora WineID e posteriormente juntou-se à Fitapreta em 2008.

Vendas, gestora, administrativa, contabilista, a Sandra já resolveu todo o tipo de problemas. Se têm um problema impossível de resolver e o querem resolvido, dêm-no à Sandra.
Hoje, a Sandra é Directora de Produção na adega da Fitareta, a gerir uma equipa permanente de 7 pessoas. Ela é sem dúvida a locomotiva atrás da operação da Fitapreta. Com a Sandra, ou saltas a bordo ou perdes o comboio.

EQUIPA

A nossa equipa conta hoje com cerca de 25 pessoas, ligadas quer a área de produção, quer a área administrativa e comercial.

UNIDADE DE PRODUÇÃO - ADEGA DA FITAPRETA | ALENTEJO

A equipa de produção, sedeada na adega da Fitapreta, no Paço do Morgado de Oliveira, está constituída por António Maçanita, Sandra Sárria, André Herrera, e mais 5 enólogos jovens e dinámicos, com experiência em Portugal e fora do país. Também está lá baseada uma equipa dedicada à gestão do armazém e das encomendas, assim como uma equipa focada nos trabalhos diários de manutenção e obras na Herdade.

A Sandra Sárria, sócia e enóloga, lidera a equipa da adega, quer a nível de produção, quer a nível de manutenção dos espaços.

Lado a lado com os enólogos, a Alexandra Leroy Maçanita coordena a equipa de enoturismo e eventos, que consta com uma equipa de 5 pessoas.

UNIDADE ADMINISTRATIVA & COMERCIAL - ESCRITÓRIO DA FITAPRETA | ISA | LISBOA

Do outro lado do Tejo, baseada na encantadora Tapada da Ajuda, em Lisboa, a nossa equipa comercial tem o apoio direto de todo o back-office (departamento logístico e financeiro, Recursos Humanos e Design).

Junto à nossa equipa administrativa e comercial, contamos com a presença de mais 5 pessoas, diretamente ligadas às outras empresas do grupo: Maçanita Vinhos, Azores Wine Company, Wine ID e a LM Events & Tourism.